What’s the Story? Morning Glory!

Calma, apesar de o título do post ser o nome do melhor CD do Oasis (já falei sobre ele aqui!), não é sobre a banda nem sobre o CD que vou falar aqui. Acontece que, alguns meses atrás, estreou nos cinemas o filme Uma Manhã Gloriosa, em inglês, What’s the Story? Morning Glory!, filme com a lindíssima e ótima atriz Rachel McAdams. O filme conta a história de Becky Fuller, uma produtora de televisão que foi demitida de seu programa. Após procurar incansavelmente por um emprego, consegue uma vaga no programa matutino Daybreak, que tem baixíssimos índices de audiência e uma moral muito, mas muito baixa. Seu objetivo no novo emprego é conseguir levantar a moral do programa, isto é, se ela conseguir lidar com os insuportáveis âncoras, com o baixo orçamento do programa, e ainda conseguir conciliar tudo isso com sua vida pessoal.

Assisti o filme pouco tempo depois da estréia e realmente amei! Uma ótima comédia, além de tratar basicamente da profissão que quero seguir e ter o mesmo nome que o CD da minha banda favorita, né, hahaha. Quatro estrelinhas pro filme e pra trilha sonora!

Fiz uma resenha bem simples sobre o filme, porque, um tempo depois de assistir, vi o livro a venda. Eu não fazia ideia de que o filme tinha sido inspirado em um livro, de verdade.. E não é! Na verdade, a famosa escritora Diana Peterfreund, autora da série Sociedade Secreta, baseou-se no roteiro de Aline Brosh McKenna, a mesma roteirista de O Diabo Veste Prada ♥ para escrever o romance. E depois de tanto tempo sem ler, comprei o livro!

Posso oficialmente dizer que estou de volta aos velhos tempos: lendo, lendo, lendo.. e lendo! Ainda não terminei a leitura do livro, estou na metade, mas posso certamente dizer que é (muito, muito mesmo) similar ao filme. A própria Becky narrando o livro, mostrando uma visão diferenciada da que o filme nos dá.

Já amei o livro e dou, por enquanto, quatro estrelinhas, também! Super recomendo (:

Beijos,

@juliamiozzo

Anúncios

Noel Gallagher is officially back, bitches!

Semanas atrás eu falei sobre a tão esperada volta de Noel Gallagher, nesse post aqui. Semana passada, foi anunciado que o primeiro single de Noel, The Death of You and Me, seria lançado na madrugada do dia 25, mais precisamente, as 4h30 da manhã. Depois de um dia (muito) difícil, sentei em frente ao computador e esperei. Muito.

O single seria lançado mundialmente nas rádios, e você podia acompanhar pelo site da rádio britânica BBC o lançamento ao vivo. “NOSSA, QUE DEMAIS!!! VOCÊ ACOMPANHOU O LANÇAMENTO AO VIVO NOSSA QUE L….”. Não, eu não acompanhei ao vivo. Por quê? Porque eu não sabia o link da rádio e nenhum dos fãs que eu sigo no twitter tinham divulgado. Outro detalhe importante é que o single foi lançado na rádio 4h20, não 4h30, e enquanto eu esperava, as pessoas já estavam comentando sobre a música. Não vou negar que eu fiquei bem nervosa. MAS TUDO BEM, porque minutos depois o site Oasisnews já tinha publicado o video clipe da música. Ou seja, ouvi a música pela primeira vez vendo o video clipe.

Vocês devem estar se perguntando qual foi a minha reação ao ouvir a música. A resposta é simples: a reação que qualquer fã de Oasis/Noel Gallagher teria. Enquanto ouvia a música, as lágrimas caiam sem parar do meu olho. Parece exagero, né? NÃO! O Gallagher mais querido tinha voltado! E foi lindo! E melhor que Beady Eye! SHITBAG, Liam!

Esse foi o único comentário de Liam quando Noel anunciou sua volta.

Sobre a música, não tenho palavras pra descrevê-la. Me lembrou bastante The Importance of Being Idle, um dos singles do Oasis.. Só que melhor, né? Bem o estilo Noel Gallagher de ser, mesmo.

Lembrando que o álbum de Noel, Noel Gallagher’s High Flying Birds (nome longo demais), será lançado dia 31 de outubro. Só no Brasil que será lançado dia 5 de novembro, mas até lá todos já terão feito o download (inclusive e principalmente eu).

Enfim, curtam a música, decorem ela toda e saiam cantando por aí. SPREAD THE WORLD!

Welcome back, Noel Gallagher ♥

E Liam, eu ainda te amo!

Beijos,

@juliamiozzo

And I can feel the stormclouds sucking up my soul…

Top 5: Women movies

Queria começar o post pedindo desculpas (de novo) por ter ficado tanto tempo sem postar. Mas sabe como é né, férias.. Sou uma pessoa muito requisitada e essa minha vida badalada não me deu tempo pra postar. Não. Minhas férias estão um tédio e passo o dia inteiro vendo filmes. Não postei mesmo por falta de ideias e por preguiça, e prometo que vou tentar não ficar menos de três dias sem postar mais. Tentar, tá?

Estava em casa, no tédio e ouvindo Oasis, e decidi assistir TV. Eu, com meus 14 anos de idade, assisto Disney Channel pra dormir (NÃO JULGUEM) e, como não assisti TV hoje, não tinha mudado de canal. EIS QUE, exatamente ás 20h02, um dos filmes que eu mais amo no mundo tinha acabado de começar: O Diário da Princesa. Minha ideia pra esse post veio daí, um top 5 com os meus cinco filmes de mulher preferidos. Não os coloquei em ordem, não consigo dizer qual é melhor.

O primeiro, um filme da antiga princesinha da Disney e Lizzie McGuire, Hillary Duff. Contando a história de uma Cinderela moderna, A Nova Cinderela, é um desses filmes que me fazem faziam chorar, de tão fofo e lindo que é. Sam, interpretada por Hillary, vive cumprindo ordens de sua madrasta e de suas irmãs, além de ser atormentada diariamente pelo grupo dos “populares” da escola. Ao conhecer seu príncipe encantado pela internet, marca com ele um encontro no baile da escola. Ela só não esperava que seu príncipe fosse Austin Ames (Chad Michael Murray, lindo!), o garoto mais popular da escola.

Um filme que nunca canso de ver e recomendo.

Mudando um pouco de gênero, um filme divino e que ninguém enjoa, O Diabo Veste Prada. Com Anne Hathaway, Meryl Streep e Emily Blunt, três atrizes que admiro muito. O filme é baseado no romance de Lauren Weisberger, com mesmo título, e mostra nada mais, nada menos que a história de Andy, uma garota não tão ligada nas tendências da moda e recém-formada em jornalismo, que consegue um emprego na revista Runway, a mais influente revista de moda do mundo.

Moderno, engraçado e divertido. Sempre passa na TV e eu sempre vejo, uhul.


Óbvio que não poderia faltar aqui o filme que me inspirou pra escrever esse post, O Diário da Princesa. Baseado na série de livros da minha autora predileta, Meg Cabot, um filme de princesas que também tem Anne Hathaway com protagonista. Mia é uma garota tímida, insegura e.. Invisível, esse é seu objetivo na vida: ser invisível. Isso se torna impossível quando descobre que seu pai era príncipe de Genovia, um pequeno país da Europa, e que ela é sua sucessora.

História impossível de acontecer, mas que te deixa com vontade de que sua vida fosse daquele jeito. Entende? Lindo.

Outro filme inspirado em um livro (já falei dele aqui!), Delírios de Consumo de Becky Bloom, que também chamo de filme-sobre-eu-no-futuro. Rebecca Bloom é shopaholic, consumidora louca e viciada em comprar. Sempre cheia das dívidas, sonha em trabalhar na revista Allete, a maior e mais conhecida revista de moda. Porém, ao contrário do que ela esperava, consegue um emprego como colunista em uma revista de finanças, dando conselhos às pessoas sobre como economizar dinheiro. Enquanto isso, ela tenta esconder sua rotina consumista.

O filme da minha vida, um filme eu, um filme divino. Todos deveriam assistir.


Por último, o filme que sei todos os diálogos, falas e que sou fã: De Repente 30. Jennifer Garner, uma das atrizes mais fofas que existem, interpreta Jenna Rink, uma garota de 13 anos que é descontente com sua idade, e sonha em completar 30 anos e em ser uma mulher bem-sucedida na vida. Na festa de seu 13º aniversário, Jenna é trancada em um armário devido à brincadeira “7 minutos no paraíso”. Triste, faz um pedido: que tenha 30 anos. E não é que o pedido se realiza?

Filme mais fofo de todos os tempos. Sempre paro pra pensar na vida quando assisto, hahaha.

Todos esses filmes tem trilha sonora maravilhosa, ótimo elenco, e acertam na comédia e no romance, na dose certa.

Em uma frase: se você é do sexo feminino e tem menos de trinta anos, as chances de você amar os filmes são enormes.

Cinco estrelinhas pra todos (:

Beijos,

@juliamiozzo

… And he’s back!

Se tem uma coisa que tenho certeza, é que Oasis é minha banda favorita. Tipo um lema de vida, sabe? Oasis pra sempre, mais ou menos isso. Mas, como sou uma pessoa com pouquíssima sorte, a banda acabou em 2009, tempos em que eu “não gostava o suficiente da banda pra ir no show”. No meu vocabulário: tomei no **. No vocabulário da minha mãe: uma pena. E igual às pessoas que acham que Paramore é Hayley Williams, pra mim Oasis é Gallagher, pra mim e pro mundo. Gosto sim dos outros integrantes da banda, mas Noel e Liam Gallagher tem um lugar bem maior no meu coração.

E assim como eles tem um lugar maior no meu coração, a briga entre os dois irmãos mais famosos do rock foi o que causou a saída de Noel do Oasis, em setembro de 2009, dois shows antes da turnê terminar. Foi o fim da maior banda dos anos 90 (e minha favorita :/). Desde então, Liam se aproveitou da situação pra liderar uma banda pós-Oasis chamada Beady Eye, também conhecida como Oasis-sem-Noel. Não vou negar que gosto muito da banda (po, é o Liam.. e os outros integrantes do Oasis, né), mas o gênero é bem diferente do que eu estava acostumada ao ouvir.

Vai tirando, vai..

Eis que, dias depois do anúncio de um novo single e lançamento de um novo videoclipe de Beady Eye, NOEL RESURGE E DÁ NOTÍCIAS! Sim, o homem da minha vida, pessoa que eu mais idolatro nesse mundo e meu Gallagher favorito (Liam, te amo também, tá), tava de volta! Com um álbum solo! E calma, é só em outubro, mas mesmo assim! O álbum de lançamento se chama High Flying Birds e será lançado dia 17 de outubro, contando com dez faixas:

1. ‘Everybody’s On The Run’
2. ‘Dream On’
3. ‘If I Had A Gun’
4. ‘The Death Of You And Me’
5. ‘(I Wanna Live In A Dream In My) Record Machine’
6. ‘AKA… What A Life’
7. ‘Soldier Boys And Jesus Freaks’
8. ‘AKA… Broken Arrow’
9. ‘(Stranded On) The Wrong Beach’
10. ‘Stop The Clocks’ (comentário: Stop The Clocks é o nome da penúltima coletânia de singles do Oasis, lançada antes do último álbum da banda)

E agora, um comentário a parte para todos os fãs de Oasis que, assim como eu, não tiveram oportunidade de ir a um show da banda: Noel afirmou que vai tocar músicas do Oasis em suas turnês. EM SUAS TURNÊS. As melhores músicas do Oasis (desculpas, mas é verdade..) na turnê do lendário Noel Gallagher. Gente, isso é melhor que o paraíso. O argumento que Noel deu foi:  “Não posso sair de um show sem tocar músicas do Oasis. Eu as escrevi, elas são minhas. São como drogas pra mim”. E o meu comentário sobre isso é: Você é minha droga, seu lindo!

Não vou negar que não tem um dia que eu não torça pra que um dia os Gallagher se reconciliem e o Oasis possa voltar, porque não tem mesmo, mas fico feliz com o trabalho de cada um e continuo os admirando. Agora, se é pra ser sincera, vou ser: não quero nem saber de Beady Eye no Festival Planeta Terra mais depois dessa notícia. Quero dizer.. É o Noel, o amor da minha vida, né, sem contar que com ele vou poder finalmente ter a chance de ver Don’t Look Back in Anger ao vivo. Vejam o vídeo, chorem, se arrepiem e se apaixonem como eu.

Resumindo o post em seis palavras: Noel tá de volta pra causar.

Termino o post pedindo desculpas por toda a empolgação presente no post e com um trecho de Don’t Look Back in Anger: don’t you know you might find a better place to play? Reflitam.

Beijos,

@juliamiozzo

Um pouco dos 90’s

Ultimamente me falta muita criatividade e inspiração pra montar posts. Pensei em fazer um top 5 do Oasis, um sobre as bases de esmaltes que uso.. Até que cheguei à conclusão de que queria falar sobre as músicas dazantiga. Eu nasci em 1996, não posso falar muito sobre o assunto, mas mesmo assim vou falar de algumas músicas que eu gosto muito lançadas na época. Umas que fizeram muito sucesso, outras que nem tanto.. E por aí vai.

Peço desculpas desde já por postar na maioria músicas das minhas bandas favoritas, já que essas são da década de 1990 e não tem como não postar sobre Oasis ou No Doubt aqui, rs.

1. Don’t Look Back in Anger – Oasis (1996):
Minha música favorita, está em primeiro em todos os tops 5 da minha vida. Lançada como single em 1996 (jura?), a música foi escrita por Noel, meu Gallagher favorito, e foi o quarto single do segundo e melhor CD do Oasis, (What’s the Story?) Morning Glory. Foi o segundo single da banda a alcançar o primeiro lugar das paradas inglesas. Música linda, meio que sem sentido, mas linda.

2. Don’t Speak – No Doubt (1996):
De longe, a mais (e talvez única) conhecida do No Doubt. Single do terceiro álbum da banda, Tragic Kingdom, atingiu primeiro lugar na Inglaterra, Holanda, Letônia, Suécia, Filipinas, Suíça e Austrália, apesar de não entrar para o Billboard Hot 100. Com duas indicações ao Grammy (Canção do Ano e Melhor Performance de Grupo Pop), a música fala sobre o relacionamento de Gwen com Tony, o baixista da banda. Linda, linda e linda, nunca me canso de ouvir.

3. …Baby One More Time – Britney Spears (1998): 
Britney foi a cantora da minha infância. Com três ou quatro anos de idade eu já tinha seu CD, cantava (daquele jeito..) e dançava essa música com todo o amor de um bebê. Até hoje, ao ouvir essa música, faço a dancinha do clipe e canto loucamente. Sinto falta dessa época da Brit.. Mas enfim, uma indicação ao Grammy, single número um em vinte e três países e maior single de 1999. Foi lançada oficialmente em 1998, mas só teve conhecimento no mundo inteiro em 1999. Música foda, videoclipe foda, dancinha foda.

4. I Want It That Way – Backstreet Boys (1999):
Acho que toda e qualquer mulher até seus 29 anos já foi apaixonada por Backstreet Boys, eu inclusive. Os únicos homens da minha vida eram Leonardo DiCaprio (por causa do Titanic, filme que eu já vi mais de cem vezes na minha vida) e Nick Carter com seu cabelo McDonalds. Foi o maior sucesso da banda, ficou por meses em primeiro lugar nas paradas e alcançou o primeiro lugar da Billboard logo na semana de estréia. Quem nunca cantou essa música bem alto, não sabe o que é viver.

5. Learn to Fly – Foo Fighters (1999):
Não podia faltar Foo Fighters aqui (eu pedi desculpas..), né. Primeiro single do There’s Nothing Left to Lose, é um dos maiores sucessos da banda e foi número 19 na Billboard Hot 100. Escolhi essa pra colocar no post principalmente pelo seu videoclipe, que é um dos melhores e mais engraçados que existem.

Eu poderia colocar umas cem músicas dos 90’s, mas a preguiça fala mais alto. Quais os hits da década retrasada preferidos de vocês? COMENTEM!

Beijos,

@juliamiozzo

Old but gold!

Sabe quando te dá um remember e aquela vontade enorme de ouvir uma música de muitos anos atrás? Pois é, acontece sempre comigo. Não tinha ideias pra post e decidi postar sobre essas músicas antigas, mas muito boas, que eu tenho ouvido ultimamente, algumas das minhas bandas favoritas, outras de filmes ou aleatórias.

5. Somewhere Over The Rainbow- Judy Garland (1993)

Quem nunca ouviu a famosa música do filme The Wizard of Oz, o Mágico de Oz, cantada pela Dorothy? A voz da garota é magnífica e se encaixa perfeitamente com a música, a letra é magnífica.. Acho maravilhosa e não parei de ouvir essa semana! O elenco de Glee fez uma versão dessa música que ficou muito boa, by the way.

4. Every You Every Me- Placebo (1999)

Descobri essa música pela trilha sonora de Cruel Intentions (três estrelinhas), um filme com a Reese Whiterspoon e com a Sarah Michelle Gellar e depois dela, comecei a amar Placebo. Já tinha ouvido falar da banda, mas nunca realmente parado para ouvir. A música é ótima, os fãs da banda são muito estranhos e os integrantes da banda também, principalmente o vocalista. Eu amo bandas estranhas.

3. Who Feels Love? – Oasis (2000)

Acharam que não ia ter Oasis aqui? hahaha. Essa música é do álbum Standing in the Shoulder of Giants, que confesso não dar muita atenção. Meu namorado, lindo, colocou um trecho dessa música no subnick e, depois disso, peguei o CD e pensei “chega, vamos ver se é bom ou não”. É bom sim, essa é a segunda melhor do CD. É minha banda favorita, não há possibilidade alguma de uma música dela não estar na lista das mais tocadas da semana..

2. Eduardo e Mônica- Legião Urbana (1986)

Aproveitando o tema do post, vocês com certeza ficaram sabendo do “filme” que a Vivo fez sobre a música. Achei sensacional, não parei de ver nem de ouvir a música, mesmo não sendo fã de Legião Urbana e não saber a música de cor. Gosto muito dessas músicas que contam uma história, sempre ficam mais legais de se ouvir.

1. You’ll be in my heart- Phill Collins (1999)

Com certeza, o filme que mais marcou minha infância foi Tarzan (se você não assistiu esse filme, CORRE), da Disney. Me lembro de perguntar para minha avó se ele existia de verdade, porque eu estava apaixonada por ele e queria me casar com ele (?). Minha mãe, fã de Phill Collins que é, assistia o filme comigo todos os dias só pela principal música da trilha sonora, You’ll be in my heart. Acho a música linda, além dela me lembrar várias coisas importantes e me dar nostalgia (adoro momentos nostálgicos, vai entender). Tá no meu top 10 de músicas, com certeza ♥

Quais músicas antigas vocês não param de ouvir e o que elas te lembram? Comentem aí (:

Beijos,

@juliamiozzo

15º Festival Cultura Inglesa e Miles Kane

Faço curso de inglês há cinco anos e meio, numa das filiais da Cultura Inglesa aqui de SP. Anualmente, eles fazem o Cultura Inglesa Festival, contando com amostras de cinema, shows, apresentações.. Como eles mesmos dizem: “…vão transformar São Paulo em um pedacinho do Reino Unido.”

Como já disse em outro post, sou imensamente apaixonada pela Inglaterra e tudo que envolve esse país maravilhoso e, por isso, sempre tive vontade de ir a um desses festivais, mas meus pais nunca deixaram. Esse ano, tenho mais autonomia (namorado, muito obrigada ♥) e nem precisei pedir para ir, só comuniquei hahaha.

Acho bem interessante o fato de qualquer um poder ir, mesmo não sendo aluno da Cultura Inglesa. Pra quem é, uma vantagem: a cada atração que você vai e apresenta o passaporte que recebeu, ganha um carimbo. Quem tiver 5 carimbos, concorre a uma viagem pra Inglaterra! Infelizmente, tenho outros compromissos e não poderei ir a outras atrações além da de domingo, dia 29/05, que contará com shows de bandas como Cachorro Grande, tocando The Who, The Mockers, tocando Beatles, e Miles Kane.

E é exatamente nesse assunto em que entra o Miles Kane, “MILES QUEM????”. Calma, também fiquei assim também quando ouvi falar dele pela primeira vez.

Miles Kane é um músico inglês, ex-vocalista e guitarrista da banda The Rascals. Também foi guitarrista da The Little Flames. Agora, trabalha na sua carreira solo. Pra quem é fã de Arctic Monkeys (não me incluo nessa) sabe que Alex Turner, o vocalista e guitarrista lindo do Arctic, tem um projeto paralelo com o Miles: The Last Shadow Puppets, que, devo assumir, é muito bom.

Esse ano, Miles lançou seu primeiro cd solo, Colour of the trap. Comecei a ouvir o bonito unicamente para saber se valeria mesmo a pena ir no festival. O que aconteceu depois disso? VIREI FÃ!!!!!

Capa do Colour of the trap, muito bonita.


Posteriormente, descobri que o Colour of the trap contava com a participação de Noel Gallagher (gênio, maravilhoso, lindo, maravilhoso, perfeito, maravilhoso, meu ídolo e maior amor), guitarrista e compositor do Oasis, minha banda favorita. Nem preciso dizer que isso foi suficiente pra me convencer de que eu precisava ir nesse festival. Ainda mais depois de a professora falar que ouviu dizer que lá terá coisas relacionadas com a banda.

Miles Kane, pra mim, tem tudo que um artista precisa ter. É talentoso pra caramba, humilde.. E bonito. Muito.

Se voce mora em São Paulo e puder ir no festival, vá. Vale a pena. Vou com meu namorado e duas amigas e vou dar uma de fã louca e alucinada no show dele, principalmente durante Come Closer, Rearrange e My Fantasy (a faixa com o Noel!).

E aí, quem eu vou encontrar lá?

Beijos,

@juliamiozzo

PS: Raramente indicarei bandas e cantores que eu gosto.. Mas o Miles é tão bom que precisa ser reconhecido né haha